Este, é um espaço não oficial.


ESTE É UM ESPAÇO NÃO OFICIAL.
Bem vindo. Serve este espaço para divulgar acções, noticias ou acontecimentos relacionados com o CI em particular e com a PSP em geral, e ainda, assuntos que de alguma forma, para nós, tenham alguma importância a nível profissional, social e/ou cultural...

Todos poderão participar, mandem artigos para serem publicados na página principal para a.fortiori.ci@gmail.com

Guestbook LIVRO DE VISITAS

Sindicato dos polícias propõe fusão da PSP e GNR

O Sindicato dos Profissionais da Polícia (SPP/PSP) propôs hoje a criação de uma polícia única em Portugal, considerando que seria uma medida com "claros benefícios" para a economia e segurança do país.

"Não faz sentido, num país tão pequeno como o nosso, haver duas forças policiais que têm precisamente a mesma missão: zelar pela segurança dos cidadãos e dos seus bens", refere o SPP, em comunicado, ao propor a fusão da PSP e da GNR devido à "crise social e económica" que Portugal atravessa.

Para o segundo maior sindicato da Polícia, existe hoje, nas forças de segurança, uma "situação clara de duplicação de serviço", o que considera "inadmissível".

Como exemplo, refere que, em Lisboa, a GNR tem mais de "sete mil efectivos a desempenhar funções meramente burocráticas", já que "não tem funções de policiamento na capital".

"A PSP tem equipas de fiscalização em todo o país e das diversas valências, a GNR tem a Unidade de Acção Fiscal; a PSP tem unidades de trânsito em todas as cidades, a GNR tem a Unidade Nacional de Trânsito; a PSP tem o Corpo de Segurança Pessoal e uma banda, a GNR tem a Unidade de Segurança e Honras de Estado; a PSP tem o Corpo de Intervenção, o Grupo Cinotécnico e o Grupo de Operações Especiais (inseridos na Unidade Especial Polícia), a GNR tem a Unidade de Intervenção e Reserva", exemplifica ainda.

O SPP considera ainda que a criação de uma polícia única "eliminaria não só serviços desnecessários, como permitiria rentabilizar e reforçar" os outros, além dos benefícios para a população com o maior número de "homens e mulheres a patrulhar as ruas e a poupança para o Estado".

fonte DN

5 comentários:

  1. Lamentável esta proposta, principalmente surgir de dentro da PSP, vejam se a GNR faz isso!!! Se têm 7000 em Lisboa, eles que os distribuam pelo país, já que tanta falta de efectivos há nos postos. Se os proponentes estão mal, peçam a exoneração de funções, sempre são ordenados (se calhar esses desnecessários) que se poupam, para bem da situação económica do país.

    ResponderEliminar
  2. "afortiori68"18 de outubro de 2010 às 23:55

    Concordo com o comentário anterior...e além disso a GNR é considerada militarizada,certo???Podem ser idênticas no objectivo de combater a criminalidade...mas no resto,sempre foram muito diferentes...

    ResponderEliminar
  3. A GNR não é considerada militarizada a GNR é militarizada, nunca esquecer isso, a GNR tem patentes e funções bem diferentes da PSP, começando pela entrada para a GNR em que as habilitações são diferentes, a PSP é uma polícia "citadina", a GNR é mais "rural", encontra-se em vilas e aldeias deste nosso país, etc...O meu pai é "geninho", sei do que falo, mas lá tá, são opiniões...

    ResponderEliminar
  4. já ontem era tarde!!!
    O problema são os senhores dos ombros cheios...
    Acham que eles deixam acabar com as quintas e quintinhas deles????
    Quem se lixa é o mexilhão pequeno...

    ResponderEliminar
  5. É um retrocesso civilizacional, esta ideia só pode ser uma brincadeira.
    Estes sindicatos da PSP têm cada ideia mais idiota.
    Lutem pelos direitos dos polícias da PSP e deixem-se de tretas.Agora era o que faltava ter que levar com a maior parte dos oficiais e sargentos da GNR que mais parecem atrasados.

    ResponderEliminar